Dezembro 2015 - Ainda sou do tempo

quarta-feira, 30 de dezembro de 2015

... do Egas e do Becas

quarta-feira, dezembro 30, 2015 0
... do Egas e do Becas

Eram das personagens mais populares da Rua Sésamo, dois grandes amigos que provavam que apesar das diferenças nas suas personalidades, conseguiam ser grandes amigos e viver juntos. Um era divertido, extrovertido e ingénuo, enquanto que o outro era muito sério, meticuloso e tímido.

Bert and Ernie no original, manipulados por Frank Oz e Jim Henson rapidamente conquistaram tudo e todos, com as suas rábulas típicas de odd couple. Por cá tiveram a voz de Rui de Sá (Egas) e Rui Paulo (Becas), e originaram vídeos muito divertidos, como o mítico "Peixe, peixe, peixe", o no Egipto ou ainda o da trovoada.

















segunda-feira, 28 de dezembro de 2015

... do Acqua Fresca do Boticário

segunda-feira, dezembro 28, 2015 0
... do Acqua Fresca do Boticário

Alguém chamou-me a atenção do Acqua Fresca, uma colónia da famosa marca O Boticário que espalhou o seu perfume por Portugal na década de 90. Devido ao seu preço acessível, esta fragrância fresca estava por todo o lado, marcando o cheiro quer das mulheres mais novas quer das mais velhas. Quem mais se recorda?














sábado, 26 de dezembro de 2015

... das Misteriosas Cidades de Ouro

sábado, dezembro 26, 2015 0
... das Misteriosas Cidades de Ouro

A série de animação as Misteriosas Cidades de Ouro marcou uma geração, misturando lições de história com ficção científica, numa co-produção entre a França e o Japão que ainda hoje é recordada com saudade, tendo sido alvo de um remake há relativamente pouco tempo.

A história passava-se na cidade de Barcelona e 1532, mostrando-nos como Esteban, um rapaz de 12 anos bastante reguila, lida com a morte do o seu tutor e a descoberta sobre a sua verdadeira identidade. Esteban havia sido resgatado por Mendoza, um marinheiro, enquanto estava à deriva no Oceano Pacífico.

Ganhou o apelido de "filho do sol" porque o mesmo aparecia quando ele aparecia, ficando muito popular por causa disso, mas decide então viajar com Mendonza para o Novo Mundo (América),para procurarem as misteriosas cidades de ouro e saber mais do seu pai. É durante essa viagem que ele conhece Zia, uma jovem Inca, que tem um medalhão estranho igual ao dele. A eles junta-se Tao, um rapaz descendente do Império de Mu e juntos vão viver enormes aventuras.

Passou na RTP em 1985, na sua versão original em Francês com legendas em Português, tendo sido repetida uns anos mais tarde e como todos os desenhos animados da altura, teve uma boa dose de merchandising onde a habitual caderneta de cromos não podia faltar.Teve também uma versão dobrada em Português e editada em dvd pela Planeta Agostini. Quem era fã?


















segunda-feira, 21 de dezembro de 2015

... do Barco Pirata da Playmobil

segunda-feira, dezembro 21, 2015 0
... do Barco Pirata da Playmobil

Deixar aqui hoje só a memória daquela que foi uma das prendas mais desejadas do final da década de 80 e anos 90, o Barco de Piratas da Playmobil. Muitos eram fãs da Playmobil, e apesar de já existirem outros produtos de alguma grandeza (como o forte de cowboys), foi pelo barco que muitos salivaram e para isso contribuiu os diversos anúncios televisivos.













sábado, 19 de dezembro de 2015

... do Música no Coração

sábado, dezembro 19, 2015 0
... do Música no Coração

Um filme que se tornou um clássico da época Natalícia, já que era comum a RTP transmitir o mesmo nessa altura. Música no Coração mostrava-nos como uma jovem freira muda a vida de uma família, quando é chamada para tomar conta de 7 crianças, as quais acaba por conquistar com a sua bondade e paciência, para além de as animar com músicas bem divertidas.

The Sound of Music (Noviça Rebelde no Brasil, Música no Coração em Portugal) foi lançado em 1965, sendo baseado no musical homónimo de 1958, e foi um sucesso de bilheteira para além de agradar quase todo o mundo, tendo vencido cinco Òscares e diversos prémios. Sendo um musical, não foi de espantar que as músicas presentes nesta película se tornassem clássicos intemporais, que marcaram a vida de várias pessoas ao longo destes anos todos.

Com Julie Andrews e Christopher Plummer nos principais papéis. respectivamente Maria e Capitão von Trapp, podíamos ver as aventuras de uma jovem mulher austríaca que estuda para se tornar uma freira em Salzburgo no ano de 1938,  mas como não se dava bem com as regras do convento, é enviada para a casa de campo de um oficial da marinha viúvo e aposentado, para ser a governanta de seus sete filhos. Depois de trazer música e amor para as vidas das crianças através da bondade e paciência, ela se casa com o Capitão e encontram juntos a felicidade e o apoio para ultrapassarem a perda da terra natal.

Maria conquista os mais novos com músicas que os ajuda a encarar as tarefas de outra forma, ou simplesmente os educando e os divertindo ao mesmo tempo. Quem não se lembra das canções "My favourite things" ou "Do-Re-Mi", para além da que tem o mesmo nome do filme? Um clássico intemporal que todos devem ver pelo menos uma vez.














quinta-feira, 17 de dezembro de 2015

... do anúncio Bom-Bokas de Natal

quinta-feira, dezembro 17, 2015 0
... do anúncio Bom-Bokas de Natal

Recordar mais um daqueles anúncios míticos do Natal dos anos 80, neste caso um que nos mostrava como todos queriam (e pediam ao Pai Natal) Bombocas para o Natal, e o pobre homem teve que ir a correr para uma loja onde esbarrou com a intransigência do dono, que afirmava "Só há estas, são para mim".













terça-feira, 15 de dezembro de 2015

... da Dona Xepa

terça-feira, dezembro 15, 2015 0
... da Dona Xepa

Dona Xepa foi uma novela da Globo, baseada numa peça de teatro com o mesmo nome e transmitida pela RTP no começo da década de 80. Teve algum sucesso mas não se livrou de algumas críticas, pelo ritmo lento dos episódios e a duração da mesma.

Foi em 1953 a primeira apresentação da peça Dona Xepa, que também foi apresentada em Portugal pela companhia teatral original, para além de ter sido alvo de adaptação por actores Portugueses nas décadas de 70 e 80, tanto no teatro como na TV.

Em 1977 estreou na Rede Globo a novela Dona Xepa, que passou na RTP entre Setembro de 1980 e Fevereiro de 1981. Teve uma revista dedicada a ela, e era motivo de capa na TV Guia e destaque no jornal Sete em diversas ocasiões.

Yara Cortes dava vida a Carlota Pires da Costa, conhecida como Dona Xepa, que cuidava dos seus dois filhos depois do marido a ter abandonado, trabalhando numa barraca de legumes nas feiras da zona sul carioca. O filho queria ser escritor e a filha ansiava por entrar na vida da alta sociedade, entre algumas peripécias, o filho concretiza o seu sonho e escreve uma peça a retratar a vida da sua mãe.

Uma curiosidade interessante é que foi num intervalo de um dos episódios que Raul Durão nos comunicou da morte do Primeiro Ministro Francisco Sá Carneiro.

Em 2013 houve uma nova adaptação televisiva no Brasil.















domingo, 13 de dezembro de 2015

... do anúncio Fantasias de Natal

domingo, dezembro 13, 2015 0
... do anúncio Fantasias de Natal

Recordar de novo o vídeo daquele que é O anúncio de Natal da geração dos anos 80, o anúncio aos chocolates Fantasias de Natal, com um avô malandro a roubar os chocolates à sua neta enquanto lhe conta uma história. Quando víamos isto na TV já sabíamos que vinha aí o Natal.













sexta-feira, 11 de dezembro de 2015

... do Gremlins

sexta-feira, dezembro 11, 2015 0
... do Gremlins

O filme Gremlins foi uma das maiores febres de merchandising dos anos 80, apresentando animais de aspecto fofinho e outros mais aterradores, numa película de Natal que misturava terror e comédia. Com a produção de Spielberg, foi um dos maiores sucessos de bilheteira de 1984 e aquele que lançou a carreira do realizador Joe Dante.

Escrito por Chris Colombus, o filme sabia balançar momentos dramáticos com outros de terror, apresentado quase sempre com pitadas de humor negro e por vezes com alguma violência (a única crítica feita a esta história). Howie Mandel era a voz de Gizmo, o Mogwai que origina isto tudo, e Zach Galligan e Phoebe Cates os actores de carne e osso que dão vida ao casal protagonista.

Rand Peltzer ( Hoyt Axton) era um inventor fracassado que queria dar um presente de Natal único para o seu filho, Billy (Zach). Para isso entra em uma loja de artigos chineses onde encontra um Mogwai, um bichinho de aspecto super fofo. Só que ter um Mogwai envolvia muitas responsabilidades e o dono, um velho chinês, não queria vendê-lo por dinheiro nenhum. Entretanto, o neto do ancião o vende por 200 dólares e diz as regras essenciais para ter um Mogwai:

- Nunca colocá-lo diante da luz forte e muito menos na luz solar, que pode matá-lo;
- Nunca molhá-lo;
- E a regra principal, nunca o alimente após a meia-noite, mesmo que ele chore ou implore.


O começo do filme mostra cenas cómicas das invenções fracassadas do pai do Billy, ao mesmo tempo que vemos como está num trabalho onde é mal tratado e que apesar do mistério todo em torno do bicho, ele o chama de Gizmo e vivem cenas de grande ternura que nem nos fazia desconfiar do que vinha aí.

Quando o Mogwai é molhado acidentalmente, ele se multiplica assustadoramente dando origem a novos Mogwais. Estes aparentam ter mais malícia que Gizmo e enganam Billy para serem alimentados após a meia-noite, transformando-se em criaturas malignas chamadas de Gremlins. Entre eles há um que possui uma cabeleira na cabeça e que se destaca dos outros, provando ser o líder.

Eles atacam Billy e sua mãe que se conseguem safar de uma forma ou de outra, incluindo a cena mítica de colocar um animal dentro de um micro ondas e o destruindo ligando o mesmo. O líder escapa e vai para uma piscina onde se multiplica e lidera um exército que quase destrói a cidade. Torna-se divertido ver Billy e o seu vizinho a tentarem avisar os outros mas ninguém lhes ligava. As mortes que acontecem, ou acidentes, têm sempre uma pitada de comédia e o adolescente que ia ver este filme divertia-se bastante.

Lá os conseguem destruir com a luz do sol, e o velho Chinês volta para buscar Gizmo dizendo que a sociedade não está ainda pronta para eles. Em 1990 houve uma sequela, que falarei noutro dia. Quem mais é fã?











quinta-feira, 10 de dezembro de 2015

... da música A Todos Um Bom Natal

quinta-feira, dezembro 10, 2015 0
... da música A Todos Um Bom Natal

Um dos maiores clássicos de Natal da nossa infância, todos aguardavam o momento em que o Coro Infantil de Santo Amaro de Oeiras começava a cantar A Todos um bom Natal no Natal dos Hospitais. Uma música animada com um refrão fácil de decorar, da autoria de César Batalha (música) e Lúcia Carvalho (letra).



Á todos um bom Natal
Á todos um bom Natal
Que seja um bom Natal para todos nós
Que seja um bom Natal para todos nós

No natal pela manhã
ouvimos o sinos tocar
e há uma grande alegria
no ar

A todos um bom Natal
A todos um bom Natal
Que seja um bom Natal para todos nós
Que seja um bom Natal para todos nós

Nesta manhã de Natal
Há em todos os paises
muitos milhões de meninos
felizes

A todos um bom Natal
A todos um bom Natal
Que seja um bom Natal para todos nós
Que seja um bom Natal para todos nós

eles andam pela casa
descaços oude chinelas
Procuram as suas prendas
tão belas

A todos um bom Natal
A todos um bom Natal
Que seja um bom Natal para todos nós
Que seja um bom Natal para todos nós

Depois fazem uma roda
as crianças dão as mãos
as crianças sentem se
irmãos.

A todos um bom Natal
A todos um bom Natal
Que seja um bom Natal para todos nós
Que seja um bom Natal para todos nós

Se isto fosse verdade
para todos os meninos
era bom ouvir os sinos
cantar

A todos um bom Natal
Á todos um bom Natal
Que seja um bom Natal para todos nós
Que seja um bom Natal para todos nós










terça-feira, 8 de dezembro de 2015

... do Carmageddon

terça-feira, dezembro 08, 2015 0
... do Carmageddon

Carmageddon foi um jogo para nenhum sádico botar defeito, podíamos dar azo à nossa sede de sangue e andar a atropelar pessoas e destruir carros enquanto tentávamos chegar ao fim da corrida. Originou uma série de jogos e foi um sucesso de vendas para PC, tendo tido versões para algumas consolas e mais recentemente para telemóvel.

Produzido pela Stainless Games, o jogo era baseado no filme de 1957 Death Race 2000, saindo em 1997 para PC, ainda via MS DOS, saindo mais tarde uma versão windows. Em 1999 saiu uma versão para Playstation, Game Boy e Nintendo 64, que apesar de serem populares não tiveram o mesmo impacto que a versão original.

Ao som de músicas dos Fear Factory, tínhamos que conduzir um carro em competição com outros, tentando chegar em primeiro mas ao mesmo tempo ganhar pontos enquanto atropelávamos pedestres ou danificávamos outros carros. Quem jogou isto?

















segunda-feira, 7 de dezembro de 2015

... da mini série As Viagens de Gulliver

segunda-feira, dezembro 07, 2015 0
... da mini série As Viagens de Gulliver

Lembro-me de ver esta mini série no começo da SIC, e de ter gostado bastante da mesma, que é um retrato bastante fiel ao livro de Jonathan Swift e que tem um elenco talentoso, com Ted Danson em grande destaque. Foram dois episódios no original, que a SIC dividiu em quatro (um para cada viagem) e transmitiu às terças do verão de 1996.

Simon Moore adaptou a história do livro de Swift, enquanto que Charles Sturridge dirigiu esta mini série produzida pela Hallmark e a produtora Jim Henson. No elenco tivemos Ted Danson como Gulliver encabeçando um elenco que contava com Mary Steenburgen, Peter O'Toole, John Gielgud e Omar Sharif entre outros. A série foi gravada em Inglaterra e Portugal, capitalizando todos os cenários para que mostrassem a discrepância de altura entre Gulliver e os habitantes da ilha de Lilliput.

Nesta versão vemos Gulliver encarcerado num asilo psiquiátrico e vemos os flashbacks da sua aventura em Liilliput. Esta parte e o final são as maiores diferenças em relação ao livro, já que acaba numa toada mais positiva com Gulliver a abandonar a sua obsessão. De resto é das poucas adaptações que retrata as quatro viagens, e todas foram apresentadas de forma bastante interessante e com efeitos especiais que retratavam bem as diferenças das várias terras e aventuras que viveu.















quarta-feira, 2 de dezembro de 2015

... do Vitinho

quarta-feira, dezembro 02, 2015 0
... do Vitinho

A RTP teve diversas animações a indicar que já era hora das crianças irem para a cama, mas a do Vitinho é sem sombra de dúvidas a que todos se recordam com facilidade. Uma criação de José Maria Pimentel, era a mascote de uma marca de produtos alimentares, que depois tornou-se protagonista de três vídeos que passaram no Canal 1, entre 1986 e 1997.

O Miluvit, da Milupa, queria criar uma campanha publicitária que chamasse a atenção dos mais novos, e foi assim que nasceu o Vitinho da mão do ilustrador José Maria Pimentel, a 2 de Fevereiro de 1986. Quando a RTP lançou um concurso para criar um novo espaço para "mandar"as crianças deitarem-se mais cedo, o autor concorreu, e venceu, com esta sua criação, fazendo assim com que a empresa alimentar tivesse, em horário nobre, publicidade gratuita à sua mascote.

José Calvário tratou da parte musical, tocada pela orquestra sinfónica de Londres, enquanto que José Mendes Martins tratava das letras, e foram 4 as vozes que interpretaram os temas do Vitinho, sendo que a primeira versão de Isabel Campelo é ainda hoje a preferida por muitos. Em 1988 foi a vez de Dulce Neves e o coro infantil da TAP, enquanto que Eugénia Melo e Castro cantou a versão de 1991, e por fim foi Paulo de Carvalho que deu voz à última versão de Vitinho, que foi para o ar em 1992.

Existiram singles com estas versões, uma almofada que se tornou um sucesso de vendas e diversos produtos de merchandising, como escantilhão ou calendários. Foi uma personagem que conquistou miúdos e graúdos, que viam os vídeos em conjunto e achavam piada ao pequeno rapaz. Em 2011 a Gooogle Portugal criou um doodle para comemorar os 25 anos do Vitinho.


Está na hora da caminha, vamos lá dormir
Vê lá fora as estrelas que dormem a sorrir
E amanhã cedinho, bem cedinho, tu vais ver
Acordas mais forte e mais esperto, isso é crescer
Boa noite!
[Mãe: Boa noite, dorme bem!
Pai: Vá lá, Vitinho, toca a dormir!
Mãe: Até amanhã! Um beijinho.]
Sonhos lindos, adeus e até amanhã!



Que é do sol
que ainda agora se via lá no céu
amou foi-se embora
por certo adormeceu
lá ao longe
tomando de mansinho
vem a noite a cantar
para embalar o teu soninho.
Tu aí, vem também
são horas de ir deitar
vá sorri sabes bem
dormir é ir sonhar.
E é tão bom
ir p’ra cama a pensar que amanhã
que amanhã
já está perto vai chegar.
Tanto sono
vou dormir,
Até amanhã



Vitinho: Oh! Já?!]
Já… vê tu, que eu nem pela noite dei
O tempo nunca chega, eu sei
Para rir, correr, saltar, brincar, viver
Vá, dorme, e agora a noite é um instantinho,
O sol, a serra, as flore, o mar.
Amanhã, muito cedinho,
Batem-te a porta para te acordar.



Quando a lua acordar
coisas que a vida tem
vai-se o mundo deitar
e tu também.
Ai quem me dera ir
dentro do sol morar
nunca ter de ir dormir
e só brincar.
E milhões de aventuras viver
com as estrelas no céu a correr
e à terra apenas voltar
se eu quiser.
Quando a lua acordar, tu vais adormecer






terça-feira, 1 de dezembro de 2015

... do Raul Solnado

terça-feira, dezembro 01, 2015 0
... do Raul Solnado


Raul Solnado foi um dos maiores nomes da nossa história audiovisual, humorista por excelência, conquistou os Portugueses com os seus trabalhos no teatro, os seus discos de humor ou como apresentador de programas de Televisão.

Nascido em Lisboa a 19 de Outubro de 1929, Raul Augusto de Almeida Solnado estreou-se profissionalmente no teatro em 1953, poucos anos depois e começou a participar em alguns filmes e na década de 60 conhece o sucesso ao adaptar um sketch do espanhol Miguel Gilla chamado "A Guerra de 1908", estreado na revista Bate o pé que esteve em cena no Teatro Maria Vitória em 1961.

O disco onde compilava esse e outros sketch bateu recorde de vendas e o tornou imensamente popular, aparecendo em programas televisivos tanto no Brasil como em Portugal. Ajudou a fundar o Teatro Villaret, e recebeu vários prémios pelo seu trabalho no teatro, para além de continuar a editar discos de humor.


No dia 24 de Maio de 1969 foi gravado o primeiro programa do "Zip-Zip", no Teatro Villaret. A última emissão foi no dia 29 de Dezembro do mesmo ano. O programa da autoria de Solnado, Fialho Gouveia e Carlos Cruz foi um dos marcos desse ano. Todo o país ficava vidrado nas entrevistas e adoravam os momentos de humor, onde Solnado se destacava ainda mais. Na década de 70 volta ao Brasil, onde chegou a interpretar uns momentos de humor no mítico programa Fantástico, da Rede Globo. Por cá ajudou a criar o programa A Visita da Cornélia em 1977, que se tornou um dos maiores símbolos da RTP.

A cada década que se passava, o humorista parecia se reinvetar e em 1981 protagoniza o mega êxito de teatro "Há petróleo no Beato", para além de conhecer sucesso na série "Lá em casa tudo bem". Nos anos 90 aparece na novela Banqueira do Povo, enquanto que no virar do Século ajuda a fundar a Casa do Artista, que visa ajudar ex actores em necessidade. Faleceu a 8 de Agosto de 2009, vítima de problemas cardiovasculares, deixando um legado invejável no Teatro, cinema e televisão.